25.1.06

Antero de Quental




Vai-te na asa negra da desgraça,
Pensamento de amor, sombra de uma hora,
Que abracei com delírio, vai-te embora,
Como nuvem que o vento impele... e passa
Que arrojemos de nós quem mais se abraça,
Com a ânsia, à nossa alma! e quem devora
Dessa alma o sangue, com que mais vigora,
Como amigo comungue à mesma taça!
Que seja sonho apenas a esperança,
Enquanto a dor eternamente assiste,
E só engane nunca a desventura!
Se em silêncio sofrer fora vingança!...
Envolve-te em ti mesma, ó alma triste,
Talvez sem esperança haja ventura!


De A Geração de 70 - II
Imagem: Torkil Gudnason


Sem comentários: