7.5.08

Daniel Gonçalves



estou tão perto que me movo dentro de ti.
tão perto que sinto este poema desabitado.

estou tão perto. eu sei. tão perto que me dói a boca.
de tão fulgente. de tão incessante que é a água.

tão perto que as palavras saem do mesmo rumor.
como se ardessem no mesmo gesto atado.

assim tão perto. tão perto que nem te posso mostrar
o mar aberto. a colina acesa à nossa frente.

mas sentes ao menos a distância invocada da procura?
a estrela profunda da noite. a vereda do paraíso.
que vai deste poema ao lugar onde te condensas?

sentes como o vão infinito das palavras inexiste?
como elas se não desvendam e passam sem te tocar?



de Um Lugar onde Supor o Silêncio, Labirinto, 2003
imagem:erica shires

Sem comentários: