6.1.10

Luís Filipe Nunes




Em dias como este, argutas raízes sobem
pelas paredes que apartam a terra.
Trazem à superfície a memória dos
que, embora expostos no centro da sala,
seguram os alicerces da casa.
Sentados na fotografia sorriem ao medo
que fosforesce pela fresta da janela
e alastra à moldura
e ao peso absoluto do silêncio,
quando na boca a saliva atravessa
a vertigem dos anos.

Em dias como este,
que procuras colher nesses plantados rostos
cujos traços sulcaram
a vida destas quatro paredes?
Em que verdes retratos extingues
a repercussão de teus passos,
em que mapa te hás-de procurar,
senão no sangue
que cresce da tua ausência?



Lugares Mal Situados de Luís Filipe Nunes


Imagem: Janusz Taras


2 comentários:

M. rangel disse...

um bocadinho prosaico mas até não está mau este poema.

nadir disse...

pessoalmente, gosto bastante dele. Tem musicalidade.

seja bem-vindo

margarida