18.9.09

Torquato da Luz



Como se tudo aquilo em que tocassem
as nossas mãos se transformassem em espuma
e os olhos, feitos barcos, navegassem
serenos e altivos sobre a bruma.

Como se não sobrasse mais nenhuma
noite em que os nossos corpos se enlaçassem
e abraçados vencessem, uma a uma,
qualquer barreiras que nos levantassem.

Como se fosses o principio e o fim
do que quis sempre para mim



Princípio e fim de Por amor e Outros Poemas, papiro editora
Imagem: Briony Marshall

4 comentários:

Anónimo disse...

...do que sempre quis para mim...


(muito interessante e muito doloroso...)


Abraço, m.m.

Blue

nadir disse...

doloroso bluínha? não, não é. cada frase contém nela tudo aquilo que quisermos e o verbo, conjugar-se-á no tempo que desejarmos: quis, quero, quererei.


besitos

m.m.

Anónimo disse...

Doloroso no desencontro...

Mas com a tua chamada de atenção, a dor passa de sopetão.


Eu quero.

Bjs, m.m e obrigada.

växthuset disse...

Ilove your pictures, realy delicat choyce. Lisa